Fechar [X]

Escola Web de Espiritismo


Prezado amigo, a Revista Auta de Souza disponibiliza a você cursos doutrinários através da Escola Web de Espiritismo.

Participe!

Veja abaixo os livros e seus respectivos cursos gratuitos:

Adquira o livro, envie a imagem da folha de rosto da obra que deseja fazer o curso com seu nome completo, CPF, cidade/estado, email para o seguinte endereço eletrônico:

eadautadesouza@gmail.com

Em seguida lhe enviaremos login e senha para que possa participar do curso escolhido.

Venha estudar conosco!

Assine agora

Receba nossas novidades em seu email
Mande sua pergunta. Adoraríamos ouvir você.
Digite o resultado da soma:
9+1=
Estudando o Evangelho » Vontade e evolução, em O Evangelho segundo o Espiritismo

Vontade e evolução, em O Evangelho segundo o Espiritismo

Disponível em: Português

 Como potência da alma[1], força motriz inerente ao espírito, a vontade é categorizada por diversas formas em O Evangelho segundo o Espiritismo, podendo-se inferir do conjunto uma gravitação em torno da educação da vontade, visando ao aperfeiçoamento do espírito.

De um lado, é adjetivada como boa, surgindo boa vontade. De outro, é aposto o qualificativo má, formando-se má vontade. Estes dois modos da vontade associam-se com diversos outros temas constituidores do Espiritismo, como, por exemplo, a noção de verdade[2], graça divina e mérito evolutivo[3], criando-se um vínculo de indução entre boa vontade, verdade, graça divina e mérito evolutivo, bem como um vínculo de repulsão entre má vontade e estes conceitos. Como ilustração disso, a boa vontade é apresentada como a marca daquelas pessoas que se deixarão atrair pelo Espiritismo[4].

Em certos trechos, a boa e a má vontade comparecem lado a lado no texto, com efeito de contraposição explicativa, ressaltando, por exemplo, a boa vontade dos Espíritos em divulgar a doutrina espírita contraposta à má vontade dos encarnados em fazer conhecido o Espiritismo[5].

[1]“Se Deus lhe concedeu inteligência e discernimento, foi para deles se servir, assim como deu a vontade para querer e a atividade para ser ativo.” (27, 6, 300). Todas as citações referem-se a ALLAN KARDEC, O Evangelho segundo o Espiritismo. Taguatinga: Editora Auta de Souza, 2ª ed., abril de 2014, e grafadas assim: capítulo, item, página. Exemplo: 2, 3, 52, ou seja, capítulo 2, item 3, página 52. Os textos referentes à Introdução, serão grafados assim: Introdução, página.

[2]“Se, então, o Espiritismo é uma verdade, não teme a má vontade das pessoas, nem as revoluções morais, nem as comoções físicas do globo, porque nada disso pode atingir os Espíritos.” (Introdução, p. 21)

[3]“A graça é a força com a qual Deus favorece toda pessoa de boa vontade para se despojar do mal e praticar o bem.” (Introdução, 17, p. 40)

[4]a) “Ele foi a luz que dissipa as trevas, o clarim matinal que entoa o despertar: foi o iniciador do Espiritismo que, por sua vez, atrairá para si, não as pequenas crianças, mas as pessoas de boa vontade.” (8, 18, 126)

b)“A exemplo destes últimos, devem procurar, de início, adeptos entre as pessoas de boa vontade, aquelas que desejam a luz, nas quais se encontra um gérmen fecundo, cujo número é enorme, sem perderem seu tempo com os que recusam ver e ouvir e tanto mais resistem, por orgulho, quanto maior a importância que se pareça atribuir à sua conversão.” (24, 10, 284)

c)“Quanto àqueles que não os desejassem receber nem escutar, Jesus recomendou aos apóstolos maldizê-los, impor-se a eles, usar da violência e da coerção para convertê-los? Não! Ordenou que partissem pura e simplesmente para outro lugar à procura de pessoas de boa vontade.” (25, 11, 292)

[5]“Nem o apoio da imprensa os salvaria do naufrágio, ao passo que, mesmo privados desse apoio, não deixaram de avançar rapidamente, porque tiveram o apoio dos Espíritos, cuja boa vontade compensou, e muito, a má vontade das pessoas.”(Introdução, p. 24)

 A vontade, como potência da alma, mostra um dinamismo próprio, intitulado esforço[1]. Tanto a vontade pode se fortalecer[2] quanto se debilitar[3] e, nos casos de obsessão, desaparecer por completo[4].

           Pela vontade conseguimos impulsionar os fluidos mobilizados pela prece[5], estabelecendo uma corrente cuja energia é proporcional à do pensamento e da vontade[6]

              A vontade pode ser inspirada pela prece[7].

Esforço e fortalecimento da vontade e precaução contra seu enfraquecimento significam estratégias educativas: a intensidade, a amplitude e a velocidade da reforma íntimasão diretamente proporcionais à maior ou menor boa vontade e esforço[8].     


[1]“(...) em vez de se arrastar penosamente sobre o solo, desliza, por assim dizer, na superfície ou paira na atmosfera sem outro esforço que o da vontade”. (4, 9, 58)

[2]“Em lugar de acusar, de retomar seus bens, quem tudo lhe preparara, acuse o verdadeiro autor das suas misérias e, assim, arrependido e operoso, entregue-se, com coragem, ao trabalho; are o solo ingrato com o esforço da vontade; lavre-o até seu âmago, com auxílio do arrependimento e da esperança (...)” (18, 15, 242)

[3]“Acreditai em mim e resisti com energia a essas impressões que vos debilitam a vontade. As aspirações por uma vida melhor são inatas ao Espírito de todos, mas não as busqueis nesse mundo; e, hoje, quando Deus vos envia seus Espíritos para vos instruir sobre a felicidade que vos reserva, esperai pacientemente o anjo da libertação que deve vos auxiliar a romper os liames que retêm vosso Espírito em cativeiro.” (5, 25, 96)

[4]“Esse socorro torna-se imprescindível quando a obsessão degenera em subjugação e possessão, porque nesses casos o paciente, por vezes, perde a vontade e o livre-arbítrio.” (28, 81, 353)

[5]“Para compreendermos o que ocorre nessa circunstância, é necessário imaginar todos os seres, encarnados e desencarnados, imersos no fluido universal que ocupa o espaço, tal como o somos na atmosfera terrena. Esse fluido recebe um impulso da vontade.” (27, 10, 302)

[6]“A energia da corrente é proporcional à do pensamento e da vontade.” (27, 10, 302)

[7]“Se por nossas preces lhe inspiramos essa vontade; se o sustentamos e o encorajamos; se por nossos conselhos lhe damos as luzes que lhe faltam, em vez de suplicarmos a Deus que revogue sua lei, tornamo-nos instrumentos para a execução da sua lei de amor e caridade, da qual nos permite assim participar, para que possamos dar uma prova de caridade.” (27, 21, 308)

[8]“À medida que a alma devotada ao mau caminho progride na vida espiritual, esclarece-se e se despoja, gradualmente, das imperfeições, segundo a maior ou menor boa vontade que empregue em virtude do seu livre-arbítrio.” (8, 7, 121)

Referência ------------------------------------------------------------------------------------------

[1]“Se Deus lhe concedeu inteligência e discernimento, foi para deles se servir, assim como deu a vontade para querer e a atividade para ser ativo.” (27, 6, 300). Todas as citações referem-se a ALLAN KARDEC, O Evangelho segundo o Espiritismo. Taguatinga: Editora Auta de Souza, 2ª ed., abril de 2014, e grafadas assim: capítulo, item, página. Exemplo: 2, 3, 52, ou seja, capítulo 2, item 3, página 52. Os textos referentes à Introdução, serão grafados assim: Introdução, página.

[1]“Se, então, o Espiritismo é uma verdade, não teme a má vontade das pessoas, nem as revoluções morais, nem as comoções físicas do globo, porque nada disso pode atingir os Espíritos.” (Introdução, p. 21)

[1]“A graça é a força com a qual Deus favorece toda pessoa de boa vontade para se despojar do mal e praticar o bem.” (Introdução, 17, p. 40)

[1]a) “Ele foi a luz que dissipa as trevas, o clarim matinal que entoa o despertar: foi o iniciador do Espiritismo que, por sua vez, atrairá para si, não as pequenas crianças, mas as pessoas de boa vontade.” (8, 18, 126)

b)“A exemplo destes últimos, devem procurar, de início, adeptos entre as pessoas de boa vontade, aquelas que desejam a luz, nas quais se encontra um gérmen fecundo, cujo número é enorme, sem perderem seu tempo com os que recusam ver e ouvir e tanto mais resistem, por orgulho, quanto maior a importância que se pareça atribuir à sua conversão.” (24, 10, 284)

c)“Quanto àqueles que não os desejassem receber nem escutar, Jesus recomendou aos apóstolos maldizê-los, impor-se a eles, usar da violência e da coerção para convertê-los? Não! Ordenou que partissem pura e simplesmente para outro lugar à procura de pessoas de boa vontade.” (25, 11, 292)

[1]“Nem o apoio da imprensa os salvaria do naufrágio, ao passo que, mesmo privados desse apoio, não deixaram de avançar rapidamente, porque tiveram o apoio dos Espíritos, cuja boa vontade compensou, e muito, a má vontade das pessoas.”(Introdução, p. 24)

[1]“(...) em vez de se arrastar penosamente sobre o solo, desliza, por assim dizer, na superfície ou paira na atmosfera sem outro esforço que o da vontade”. (4, 9, 58)

[1]“Em lugar de acusar, de retomar seus bens, quem tudo lhe preparara, acuse o verdadeiro autor das suas misérias e, assim, arrependido e operoso, entregue-se, com coragem, ao trabalho; are o solo ingrato com o esforço da vontade; lavre-o até seu âmago, com auxílio do arrependimento e da esperança (...)” (18, 15, 242)

[1]“Acreditai em mim e resisti com energia a essas impressões que vos debilitam a vontade. As aspirações por uma vida melhor são inatas ao Espírito de todos, mas não as busqueis nesse mundo; e, hoje, quando Deus vos envia seus Espíritos para vos instruir sobre a felicidade que vos reserva, esperai pacientemente o anjo da libertação que deve vos auxiliar a romper os liames que retêm vosso Espírito em cativeiro.” (5, 25, 96)

[1]“Esse socorro torna-se imprescindível quando a obsessão degenera em subjugação e possessão, porque nesses casos o paciente, por vezes, perde a vontade e o livre-arbítrio.” (28, 81, 353)

[1]“Para compreendermos o que ocorre nessa circunstância, é necessário imaginar todos os seres, encarnados e desencarnados, imersos no fluido universal que ocupa o espaço, tal como o somos na atmosfera terrena. Esse fluido recebe um impulso da vontade.” (27, 10, 302)

[1]“A energia da corrente é proporcional à do pensamento e da vontade.” (27, 10, 302)

[1]“Se por nossas preces lhe inspiramos essa vontade; se o sustentamos e o encorajamos; se por nossos conselhos lhe damos as luzes que lhe faltam, em vez de suplicarmos a Deus que revogue sua lei, tornamo-nos instrumentos para a execução da sua lei de amor e caridade, da qual nos permite assim participar, para que possamos dar uma prova de caridade.” (27, 21, 308)

[1]“À medida que a alma devotada ao mau caminho progride na vida espiritual, esclarece-se e se despoja, gradualmente, das imperfeições, segundo a maior ou menor boa vontade que empregue em virtude do seu livre-arbítrio.” (8, 7, 121)

Links

» Home » Editora Auta de Souza » Escola Web » Fale Conosco

Editorias

» Galera Jovem » Missionários do Bem » Como Fazer na Casa Espírita » Atualidades » Cantinho da Criança » Espaço do Evangelizador » Os Espíritos Respondem

Artigos

» Ciência e Espiritismo » Educação e Espiritismo » Esperanto » Estudando o Evangelho » Mediunidade » Universo e Vida » Français » English » Español

Diversos

» Criança em Cena » Histórias da Vovó » Espiritismo em Esperanto » Espiritismo em Inglês » Aprenda a tocar

Seções

» Auta de Souza » Concafras » Chico Xavier » Conheça o Espiritismo
Copyright © Revista Auta de Souza - Todos os direitos reservados