×
SESC

17 Set 2017 11h44

O Livro Espírita salvando vidas

(Mensagem: Há um século, de Hilário Silva e Livro Espírita – Apoio e Bênção, de Aurélio. Adaptação para teatro: Nísia Anália)

(Mostra-se uma faixa, ou a gravação de uma voz bem firme: PARIS – ABRIL DE 1860. Neste momento entra Allan Kardec, algo preocupado, senta-se em seu ambiente de trabalho, lendo algum material e parecendo meditar)

Narrador 1 – Naquela manhã, Allan Kardec, o codificador da Doutrina Espírita, estava exausto e acabrunhado...
Narrador 2 – Muito embora a consolidação da Sociedade Espírita de Paris e a promissora venda de livros, escasseava o dinheiro para a obra gigantesca que os Espíritos superiores lhe haviam colocado nas mãos...
Narrador 1 – A pressão aumentava... Cartas sarcásticas avolumavam-se à mesa.
Allan Kardec – (levantando-se) – Senhor, aqui estou, firme na tarefa confiada. Ajuda-me Senhor a vencer todas as dificuldades do caminho.

(Neste momento, batem à porta, entra Madame Rivail, que vai atender)

Amélie – Pois não.
Carteiro – Encomenda para o Sr. Allan Kardec.
Amélie – (recebendo o pacote) – Muito obrigada!
Carteiro – Bom dia. Até logo.
Amélie – Bom trabalho!

(Dirige-se, carinhosamente ao esposo)

Amélie – Querido, chegou esta encomenda para você.
Allan Kardec – Obrigado, vejamos do que se trata...

(Amele senta-se próximo. Allan Kardec abre o embrulho, detendo-se, primeiramente em uma carta e iniciando a sua leitura. Durante a leitura, afasta-se para um lado do palco, enquanto as partes iniciais vão sendo encenadas, como se fossem quadros vivos.)

Allan Kardec – (iniciando a leitura) – “Sr. Allan Kardec: Respeitoso abraço. Com a minha gratidão, remeto-lhe o livro anexo, bem como a sua história, rogando-lhe, antes de tudo, prosseguir em suas tarefas de esclarecimento da Humanidade, pois tenho fortes razões para isso...

(Kardec vai afastando. Senta-se continuando a ler a carta. Entra o jovem, como cena viva)

Jovem – Sou encadernador desde a meninice, trabalhando em grande casa desta capital. Há cerca de dois anos casei-me com aquela que se revelou minha companheira ideal...

(Coloca-se a música: “Alma Gêmea de minha Alma” ou outra música. A jovem entra e os dois cantam ou dançam juntos. Continuam encenando de acordo com a narrativa da carta. Pode-se colocar somente uma música instrumental,sendo que o jovem desce do palco e encontra Antoinette – que deverá estar no meio do público – vão subindo juntos até o palco)

Allan Kardec – (levantando e continuando a leitura) – Nossa vida corria normalmente e tudo era alegria e esperança, quando, no início deste ano, de modo inesperado minha Antoinette partiu desta vida, levada por sorrateira moléstia...

(Neste momento Antoinette cai ao chão, coloca-se uma pequena parte da música Fio Partido, a jovem deixa um casaco no chão, simulando o corpo físico, levanta-se, afaga o esposo e sai de cena levada por espíritos amigos. O jovem chora em torno da mesma, levanta-se e continua a narrativa)

Jovem – (desesperado) – Meu desespero foi indescritível e julguei-me condenado ao desamparo extremo. Sem confiança em Deus, sentindo as necessidades do homem do mundo e vivendo com as dúvidas aflitivas de nosso século, resolvera seguir o caminho de tantos outros ante a fatalidade...

(Afasta-se, fita um ponto distante e fica parado)

Allan Kardec – (levantando e continuando) – A prova da separação vencera-me, e eu não passava, agora, de um trapo humano (...) Minhas forças fugiam. Namorara diversas vezes o “Rio” Sena e acabei planejando o suicídio.
Jovem – (movimentando como se fosse em rumo ao Rio) – seria fácil, não sei nadar. Em madrugada fria, quando as preocupações e o desânimo me dominaram mais fortemente, busquei a ponte Marie.
Allan Kardec - Olhei em torno, contemplando a corrente...E ao fixar a mão direita para atirar-me, toquei um objeto, algo molhado que se destacou da amurada, caindo-me aos pés.

(O jovem vai falando e dramatizando a cena. No momento em que encontra o livro, coloca-se uma música instrumental, vibrante e ele vai sentando-se como se estivesse lendo)

Allan Kardec – Surpreendido, distingui um livro que o orvalho umedecera. Tomei o volume nas mãos e, procurando a luz mortiça de poste vizinho, pude ler... entre irritado e curioso:
Jovem - “ESTA OBRA SALVOU-ME A VIDA. LEIA-A COM ATENÇÃO E TENHA BOM PROVEITO” A. Laurent.
Estupefato, li a obra (mostra) “O Livro dos Espíritos” (ler junto com Allan Kardec, ou seja: os dois falam ao mesmo tempo)
Allan Kardec – “O Livro dos Espíritos” – ao qual acrescentei breve mensagem, volume esse que passo às suas mãos abnegadas, autorizando o distinto amigo a fazer dele o que lhe aprouver.

(Allan Kardec vai terminando de abrir o embrulho, emocionado. Amele se levanta, olha para o público e fala)

Amélie – Ali estava um exemplar de “O Livro dos Espíritos”, ricamente encadernado... e na página do frontispício, levemente manchada, leu com emoção não somente a observação a que o missivista se referia, mas também outra, em letra firme:

Allan Kardec – “Salvou-me também. Deus abençoe as almas que cooperaram em sua publicação.” – Joseph Perrier.

(Neste momento, do público algumas pessoas falarão, mostrando O Livro dos Espíritos)

Personagem 1 – Esta obra salvou-me a vida.
Personagem 2 – Esta obra, salvou-me a vida.
Personagem 3 – Salvou-me também!
Personagem 4 – Salvou-me também!

(Todos vão se aproximando do palco, posicionando-se no mesmo)

Narrador 1 – Era preciso continuar...
Narrador 2 – Desculpar as injúrias...
Narrador 1 – Abraçar o sacrifício...
Narrador 2 – Desconhecer as pedradas.

Allan Kardec – O mundo necessitava e necessita de renovação e consolo.
Amélie – O notável obreiro da Grande Revelação, respirou longos haustos, e, antes de retomar a caneta para o serviço costumeiro, levou o lenço aos olhos e limpou uma lágrima...
Jovem – E trabalhou, de forma incansável, pelo “Consolador Prometido”.
Antoinette – “Na Terra em convulsão, O Livro Espírita se ergue como bandeira de paz...”
Jovem – Convocando as almas à serenidade em meio às lutas que se agravam a cada dia.

Personagem 1 – O Livro Espírita é apoio do Bem, onde o Bem possa surgir!
Personagem 2 – O Livro Espírita será sempre Bênçãos de paz...
Personagem 3 – Renovando possibilidades de crescimento para Deus.
Personagem 4 – “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará.”

Todos – Livro Espírita, Farol Divino, que SALVA VIDAS!

(Cantar uma música sobre o Livro Espírita ou sobre Allan Kardec ou ainda sobre o Espiritismo, dependendo do tema ser enfatizado. Caso a peça seja apresentado em homenagem ao aniversário de Allan Kardec, fica a sugestão para encerrá-la na frase: “E trabalhou de forma incansável, pelo Consolador Prometido, a qual deverá ser dita por todos os participantes)