×
SESC

02 Dez 2017 17h36

Necessidade da ideia de Deus

Deus é maior que todas as teorias e todos os sistemas. Eis a razão por que não pode Ele ser atingido, nem minorado pelos erros e faltas que os homens têm cometido em seu nome. 
 
Deus é soberano a tudo. 

O Ser divino escapa a toda a denominação e a qualquer medida, e, se lhe chamamos Deus, é por falta de um: nome maior, assim o disse Victor Hugo. 
A questão de Deus é o mais grave de todos os problemas suspensos sobre nossas cabeças e cuja solução se liga, de maneira estrita, imperiosa, ao problema do ser humano e de seu destino, ao problema da vida individual e da vida social. 

O conhecimento da verdade sobre Deus, sobre o mundo e a vida é o que há de mais essencial, de mais necessário, porque é Ele que nos sustenta nos inspira e nos dirige mesmo à nossa revelia. E esta verdade não é inacessível, como veremos; é simples e clara; está ao alcance de todos. Basta procurá-la, sem preconceitos, sem reservas, ao lado da consciência e da razão.

[...]

Ora, que dizem esses Espíritos sobre a questão de Deus? A existência da Potência Suprema é afirmada por todos os Espíritos elevados. Aqueles, dentre nós, que tem estudado o Espiritismo filosófico, sabem que todos os grandes Espíritos, todos aqueles cujos ensinamentos têm reconfortado as nossas almas, mitigado nossas misérias, sustentado nossos desfalecimentos, são unânimes em afirmar, em repetir, em reconhecer a alta inteligência que governa os seres e os mundos. Eles dizem que essa inteligência se revela mais brilhante e mais sublime à medida que se escalam os degraus da vida espiritual. 

O mesmo se dá com os escritores e filósofos espíritas, desde Allan Kardec até nossos dias. Todos afirmam a existência de uma causa eterna no Universo. 

“Não há efeito sem causa — disse Allan Kardec —, e todo efeito inteligente tem forçosamente uma causa Inteligente”. Eis o princípio sobre o qual repousa o Espiritismo inteiro. Esse princípio, quando o aplicamos às manifestações de Além-Túmulo, demonstra a existência dos Espíritos. Aplicado, ao estudo do mundo e das leis universais, demonstra a existência de uma causa inteligente no Universo. Eis por que a existência de Deus constitui um dos pontos essenciais do ensino espírita. Acrescento que é inseparável do resto desses ensinamentos, porque, neste último, tudo se figa, tudo se coordena e se encadeia. Que não nos falem de dogmas! O Espiritismo não os comporta.

Ele nada impõe; ensina. Todo ensino tem seus princípios. A ideia de Deus é um dos princípios fundamentais do Espiritismo. 

Dizem-nos frequentemente: —  Para que nos ocuparmos dessa questão de Deus? A existência de Deus não pode ser provada! Ou ainda: — A existência de Deus ou sua não existência é sem predomínio sobre a vida das massas e da Humanidade. Ocupemo-nos de alguma coisa mais prática; não percamos nosso  tempo em dissertações vãs, em discussões metafísicas. Pois bem!  Em que pese àqueles que mantêm esta linguagem, repetirei que é questão vital por excelência; responderei que o homem não se pode desinteressar dela, porque o homem é um ser. [...]

A opinião que tem sobre a causa, sobre a lei do Universo, essa opinião, o quer queira ou não, quer saiba ou não, se reflete em seus atos, em toda a sua vida pública ou particular. 

Qualquer que seja a ignorância do homem no que respeita às leis superiores, na realidade — é segundo a ideia que forma dessas leis, por mais vaga e confusa que possa ser tal concepção —  é de conformidade com essa ideia que a criatura age. Desta opinião — sobre Deus, sobre o mundo e sobre a vida (notais que estes três assuntos são inseparáveis) —, desta opinião, as sociedades humanas vivem ou morrem! É ela que divide a Humanidade em dois campos.

Por toda parte, veem-se famílias em desacordo, em desunião intelectual, porque há muitos sistemas acerca de Deus: o padre inculca um à mulher; o professor  ensina outro ao homem, quando não lhe sugere a ideia do Nada. 

Essas polêmicas e essas contradições explicam-se, entretanto. Têm sua razão de ser. Devemo-nos lembrar de que nem todas as inteligências chegaram ao mesmo ponto de evolução; que nem todos podem ver e compreender de igual modo e no  mesmo sentido. Daí, tantas opiniões e crenças diversas. [...]

Todos sabem que alguém, colocado ao pé da montanha, não pode descortinar o mesmo panorama aberto ao que já chegou ao vértice; mas, prosseguindo sua ascensão, um chegará a ver as mesmas coisas que o  outro. O mesmo acontece com o Espírito em sua ascensão gradual. O Universo não se revela se não pouco a pouco, à medida que a capacidade de lhe compreender as leis se desenvolve e engrandece o indivíduo. 

Daí vem o sistema, as escolas filosóficas e religiosas, que correspondem aos diversos graus de adiantamento dos Espíritos que nuns e noutros se fiam e, muitas vezes, aí se insulam. (León Denis, O Grande Enigma, cap. V, p. 34-36)